31.5.08

Enfim um texto, chega de fotografias! (por enquanto)

Apresento o prelúdio de um texto sobre uma assassina em série. Pensei numa personagem feminina para inovar mas não acho que tenha conseguido recriar a mente de uma mulher.

Para ler toda a história acesse aqui.

Sem mais delongas, às pedras:

"Aquele que luta com monstros deve acautelar-se para
não tornar-se também um monstro. Quando se olha
muito tempo para um abismo, o abismo olha para você.”
- Friedrich Nietzsche

Carmem

Fragmentos de uma mente perturbada

Prelúdio

Seu tio Josué morreu, o velór--.

Desliguei o telefone de imediato. Era mentira da minha mãe, o rato permanecia vivo era só pra despistar. Tentei assistir televisão para distrair, caí no sono e dormi.

Primeiro flutuava no espaço vazio, de repente viu à sua frente uma luz, foi ficando cada vez mais luminosa, sentia queimar sua pele. Aproximando-se da luz, viu que chegava numa planície, no meio de uma grande plantação, mas era uma menininha com um vestido vermelho, era uma formiga no meio do campo enorme. Percebeu que estava indefesa e procurou por abrigo, mas antes disso, um rato preto e decrépito de olhos vermelhos brilhantes avançou sobre ela, esperando o pior mas tentando se proteger, virou-se, esperou e nada aconteceu, abriu os olhos e viu que uma grande cobra negra engolia o rato. A cobra virou para a garotinha tremendo no chão, e disse:

-Calma garotinha, eu vou te proteger.

Mal acordou e pensou que talvez pudesse criar uma cobra em seu apartamento, para proteção, perto dali havia uma loja de animais, onde certamente poderia comprar uma. Foi a pé e ainda de pijamas.

Entrei na loja e fui direto ao atendente, um garoto de no máximo 19 anos, pergunto se ele tem uma cobra à venda, dois segundos depois ele começa a sorrir maliciosamente para mim...tudo que eu precisava era de um tarado a cada esquina. Fechei ainda mais minha expressão, ele deve ter percebido e se desculpou, disse que a loja só tinha os animais normais, (normais? E uma cobra é o que? Como ele ousa?) foi a gota d'água.

-Quem você pensa que é?

-Nossa tia, eu já pedi desculpas.

A cara que eu fiz eu não sei, mas ele se assustou.

-Err...calma moça.

-Calma?! CALMA?!

E fui estapeando o garoto insolente e o empurrei. Os pássaros aprisionados na loja zombavam descontroladamente do verme no chão. Um labrador, que entrou na loja junto com uma moça logo depois de mim, acenou a cabeça em sinal de aprovação. Quando saí os filhotes exibidos na vitrine me cumprimentaram. Eu saí tão furiosa da loja, que nem dei ouvidos às provocações dos manequins da confecção, eles nunca gostaram de mim, eu nunca gostei deles.

Não teve preocupação com os olhares reprovadores ao seu pijama. Antes de chegar ao apartamento entrou no estúdio de tatuagem na esquina, ambiente limpo e arrumado, escolheu um desenho e saiu de lá feliz.

..............

Dias, ou meses passaram...

10 comentários:

QUADRIDEKO disse...

Fala parceiro

Tem um selo pra você lá no Quadrideko.

Passa lá.

Um abraço.

QUADRIDEKO disse...

Ahá !

Gostei do texto !

Quando sai a continuação ?

Sr.F disse...

Carmem, você criou um personagem fascinante. Não sei se sinto admiração ou medo dela. Achei interessante a parte que o vendedor fala em animais normais, "um rato preto e decrépito de olhos vermelhos brilhantes" também foi sensacional. A primeira vez que li fiquei meio confuso, mas cada vez que releio vejo coisas novas, isso é bom. Eu já sei as cenas do próximo capitulo, huahua, se alguma revista quiser comprar entre em contato comigo, rs.

Sr.F disse...

Eu preciso melhorar na pontuação mesmo, vou pedir uma aula pra carmem, ela escreve bem pra caramba e é sú uma menininha ainda, rs.

Designer Vigiado disse...

olá, gusta...
gostei muito do visual do seu blog... tem algo de antigo nele, mas eu gosto assim. Obrigado pela visita e continue investindo no blog. parabéns...

Victória D. disse...

Olá.
Muito obrigada, mesmo. Fico feliz que goste dos textos que escrevo. É sempre bom ser elogiada.
Colocarei o link do teu blog no meu. Que nome posso colocar?

Olha, sinceramente, esse texto está muito bom. Vejo que escreve sobre "serial killer", não é?
Estou muito afim de escrever sobre, mas não sei se de fato estou preparada. Se para você for uma boa, poderíamos escrever um conto assim, juntos. Pense sobre o assunto. Espero resposta...

Abraços.

Victória D. disse...

Tive que voltar, acabei de ler o texto com atenção, e acho que já posso comentar sobre ele.
Está maravilhoso. Quando cheguei ao fim, e vi que haveria uma continuação, pensei: "Merda! O que acontece agora?". HAHA, me mantive fascinada do começo ao fim. Está ótimo. Parabéns mesmo.
De certa forma recriou a mente feminina de uma forma masculina. Quem lê, vê que um homem escreveu. Não sei se é bom ou ruim. Mas está ótimo, de toda forma. Já pensou em pedir ajuda de uma mulher? Conseguiria passar certa aparência feminina, o que tornaria um tanto quanto psicopata (o texto).

Tem meus parabéns.

Petter disse...

Belo texto.

Jamile Gonçalves disse...

" escolheu um desenho e saiu de lá feliz"
Isso me lembra o clássico Dom Casmurro: "Apesar de tudo, jantei bem e fui ao teatro."
Só não consegui entender o que conseguiu irritá-la tanto a ponto de fazer isso...
Vai saber!
;)

Paula disse...

RRRAPAZZZ.. tu tem talento.... continua...

http://www.orkut.com.br/Main#Profile?rl=ls&uid=897342500733339587