20.5.08

O catador de promessas

Um poema escrito depois de uma aula do cursinho

Quase por milagre

entra,
o catador,
de papelão
puxa,
quilos,
e quilos
alimentado,
apenas,
por um pão

também entra a Mercedes
vem voando! Vooosh! Veloz!
pudera!
movida com o pão de mil catadores

colidem
papelão e dinheiro tornam-se um só
primeira,
e última vez,
que viu um carrão por dentro

finalmente teve seu momento!
nos jornais: mais um anônimo morreu.

_________________________________________

Não foi uma inspiração consciente, pois eu ainda não li, mas quem leu, pode lembrar da Macabéia de A hora da estrela

3 comentários:

Priscila disse...

Meus parabéns pelo se blog mto interessante!
Sou graduada em Letras e gostei mto dos poemas... rsrs

Sucesso

Marcelo disse...

Gustavo,

Há vários trabalhos sobre os sufixos. Eu nunca trabalhei exatamento com sufixos pois é uma linha de pesquisa de morfologia e a minha formação específica de mestrado e doutorado é Sintaxe. É claro que tenho tenho informações bem acima da média. Entre no google e digite artigos sobre sufixos. Vai vir alguns artigos em pdf que podem ser úteis. Agora, se você não é da área de letras, pode ficar um pouco difícil ler os artigos por causa da nomenclatura e teorias aplicadas. Afinal de contas são artigos acadêmicos.
Realmente, você tem razão. Deveria ser brasiliense ou brasiliano (com é em Italiano). O sufixo -eiro no termo brasileiro é considerado atípico. -eiro não é um sufixo gentílico, -ano e ense, sim, estes os são.

Sr.F disse...

Ficou muito bo Gusta, parabéns!