13.6.08

O Sr. F

Uma história do Sr. F, personagem criado originalmente por Vladimir Galli, do blog do Sr. F, escrita excepcionalmente por Gustavo Ganso.

Ao som de “Heart Shapped Box", do Nirvana, para um tom furioso.
E "Homem Primata", dos Titãs, para o fundo crítico.


"Homem primata, capitalismo selvagem, oho-o!"


“A vida não lhe dará presentes,

se você quer a vida roube-a.”


Sr. F e o selvagem mundo empresarial

O garoto estava sentado no sofá, olhava para o vazio, o controle remoto na mão e a televisão desligada. Foi essa a visão do Sr. F ao entrar na sala. Precisou chamar duas vezes para tirar o garoto do transe.

-O que? É você Sr. F.

-Sua mãe disse que você estaria aqui.

-Estou vendo à tv.

-Eu percebi. – E Sr. F olha para a televisão, o olhar do garoto o segue e ao perceber o aparelho desligado disfarça.

-Ah, é que eu já tinha desligado, agorinha pouco.

-Então você não foi aceito no emprego...

-É não me quiseram.

-... – Sr. F. queria que o garoto continuasse.

-Não entendo, eu sempre fui inteligente, o melhor aluno da escola.

-Você precisa entender que ninguém tem a obrigação de te contratar porque você é bonzinho e os professores falavam bem de você. O tempo de estudante e bajulador dos professores já passou.

-Eu não era bajulador!

-De qualquer forma eles gostavam de você e de certo faziam vista grossa aos seus erros.

-É, talvez... O que tem a ver?

-Aquele pessoal recebia do governo para te ensinar. Em um emprego, pagam para você produzir e qualquer erro seu serve de motivo pra ser descontado do salário o até pior, ser despedido. Como adulto você precisa agregar novas qualidades, pretendia impressionar o chefe dizendo qual a velocidade da luz?

-Se eu tivesse a chanc—

-Nada, você precisa mostrar serviço. Escuta, seria muito bom se fôssemos todos bons e desligados do dinheiro, mas não é assim, a vida não vai mais arredondar sua nota, se bobear, vai até tirá-la de você, então aprenda a conseguir as coisas sem esperar a ajuda dos outros.

-...

-Agora chega de papo, esse cheiro de carne assada vindo da cozinha me deixou com água na boca. Vamos lá.

Sr. F e o garoto foram almoçar, o garoto entendeu os conselhos do Sr. F. e se empenhou como nunca. Foi dispensado por várias tentativas seguintes de conseguir emprego. Nem todos vão conseguir, por mais que se esforcem.




2 comentários:

Marcelo disse...

Acho que dá para colocar a narrativa desenvolvida acima em forma de roteiro. Ficou bem com a cara... Legal.
Como professor, então...
"A vida não arredonda a nota de ninguém, cara..."

com relação ao seu comentário:

Gustavo,
não foi coincidência não. Um pedaço daquele texto é seu. Gostei da idéia.
Não há conformismo, há mais um tom de indulgência no discurso... mas ainda não estou conformado não.

Lomyne disse...

Nossa, que cruel... Mas de fato o mercado de trabalho é muito cruel mesmo...